Maconha aumenta risco de psicose em adolescentes, diz estudo
Sexta-feira | 14 de Junho de 2024  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Quinta-feira | 23 de Maio de 2024    16h27

Maconha aumenta risco de psicose em adolescentes, diz estudo

Fonte: IstoÉ
Foto: IstoÉ

A cannabis prejudica o cérebro em desenvolvimento dos adolescentes. Segundo uma nova pesquisa, ligação entre uso de maconha nessa faixa etária e transtornos psicóticos é mais forte do que já se sabia. A psicose não é uma sensação de intoxicação, mas uma doença mental na qual a realidade é distorcida por alucinações, delírios e perturbações mentais. As pessoas afetadas perdem o contato com a realidade, não são mais elas mesmas.

Diversos estudos já demonstraram que a maconha pode danificar o cérebro em desenvolvimento de um jovem. Entretanto, a ligação entre o uso de cannabis e transtornos psicóticos é aparentemente muito mais forte do que se supunha anteriormente, segundo um estudo feito no Canadá e publicado na revista Psychological Medicine.


Sem foco, entorpecido e superestimulado
Rainer Thomasius, diretor do Centro Alemão de Pesquisa sobre Dependência de Crianças e Adolescentes do Centro Médico Universitário de Hamburgo-Eppendorf, afirma que não são apenas as alucinações visuais ou acústicas que podem acometer os jovens. A capacidade de concentração e de aprendizado também é limitada, e a capacidade de sentir alegria ou tristeza é atenuada. Além disso, muitas vezes, há a sensação de estar completamente sobrecarregado por estímulos ambientais.

Embora um transtorno psicótico possa ser curado completamente em poucas semanas com a abstinência de drogas, há um risco maior ao longo da vida de voltar a enfrentar psicose se a substância for usada novamente. E, na pior das hipóteses, ter esquizofrenia, segundo Thomasius. As pessoas com esquizofrenia se sentem ameaçadas até mesmo por parentes próximos e, em casos extremos, pode levar até a ataques mortais.

Cérebros dos adolescentes estão especialmente em risco
Durante a puberdade, o cérebro é uma espécie de canteiro de obras e é facilmente desequilibrado por substâncias como o tetrahidrocanabinol (THC). De acordo com o estudo canadense, o THC chega ao cérebro por meio do sistema endocanabinoide do próprio corpo. Entre outros efeitos, ele influencia as conexões entre as fibras nervosas e o desenvolvimento da substância branca no cérebro.

Até um terço das conexões funcionais no lóbulo frontal pode ser perdidas devido ao consumo de cannabis durante a puberdade. O lóbulo frontal é responsável por funções como o pensamento, o raciocínio e a regulação das emoções. O valor do QI pode cair em até dez pontos, explica Thomasius. “Se um QI que já não é tão alto cai de 90 para 80, isso significa um distúrbio de aprendizado.” O risco de transtornos de ansiedade e depressão também é significativamente maior, de acordo com o psiquiatra.


No entanto, os jovens não estão realmente cientes de tais riscos, diz o médico. “Isso não foi adequadamente comunicado até agora.” As análises mostram que a percepção de risco dos danos à saúde causados pelo uso da maconha está diminuindo nos EUA e na Europa.

A legalização da maconha é tema de debates acalorados em muitos países. A cannabis foi legalizada para adultos na Alemanha em abril de 2024, o que na opinião de Thomasius envia um sinal errado aos jovens.

Teor de THC muito mais alto
A ligação entre o uso de cannabis e os transtornos psicóticos ter sido subestimada por muito tempo também se deve ao fato de que estudos anteriores usaram dados antigos de THC, quando a cannabis era menos potente do que é hoje.

A maconha de hoje dificilmente se compara aos baseados comparativamente inofensivos das décadas passadas. Embora a quantidade de maconha fumada praticamente não tenha mudado, o teor de THC aumentou significativamente ao longo dos anos.

No Canadá, por exemplo, o teor médio de THC da maconha ilegal aumentou de cerca de 1% em 1980 para 20% em 2018.

Atualmente, existem extratos de cannabis que podem atingir um teor de THC de mais de 95%, diz Thomasius. Esses produtos ainda não estão disponíveis na Alemanha, por exemplo, onde o teor na cannabis ilegal é de cerca de 15%.

Minoria vulnerável
A grande maioria dos jovens que usam cannabis não desenvolve um transtorno psicótico – isso também é um fato. Mas o uso de cannabis aumenta o risco de transtorno em 11 vezes. O estudo atual analisou dados de mais de 11 mil participantes que tinham de 12 a 24 anos de idade no início da pesquisa e não tinham tido um transtorno psicótico anteriormente.

É urgente a realização de mais estudos, pois a relação causal entre o consumo e a psicose é regularmente colocada em dúvida. Portanto, uma correlação também é possível. Além disso, é possível que adolescentes com sintomas psicóticos tenham maior probabilidade de usar cannabis.

Outros fatores potencialmente importantes, como genética ou trauma sofrido no passado, também não foram levados em conta no estudo. A genética tem uma influência muito forte na suscetibilidade à psicose, explica Thomasius, e o uso de cannabis com esse histórico familiar pode ser a gota d’água.

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2024.