ACIAC exibe documentário “Rotas Monçoeiras” neste sábado gratuitamente
Domingo | 26 de Maio de 2024  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Sexta-feira | 29 de Dezembro de 2023    09h25

ACIAC exibe documentário “Rotas Monçoeiras” neste sábado gratuitamente

Exibição ocorrerá as 19h no auditório da Associação

Fonte: (Ana Flávia Dorsa)
Foto: Silas Ismael

A Associação Comercial, Industrial e Agropastoril de Coxim (ACIAC) exibirá em seu auditório neste sábado (30), às 19h o filme “Rotas Monçoeiras: A História de um rio e seu povo”. O longa metragem foi produzido na região e Coxim e traz nos seus 70 minutos, a cultura, as lutas e a trajetória de populações rurais, ribeirinhas, artistas e pessoas comuns em uma unidade de conservação da Região Norte.
A produção que ganhou em primeiro lugar no Festival da América do Sul, é fruto dos recursos do Fundo de Investimentos Culturais de MS (FIC-MS) e conta com a direção de Cid Nogueira e co-direção de Silas Ismael, já o roteiro ficou com Ariel Albrecht e Cid Nogueira.
Foi a primeira da categoria Rio Cênico sancionada no Brasil e gerida pelo instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul e foi classificada nesta categoria por guardar ícones culturais, históricos, arqueológicos, paisagísticos e ambientais únicos.

De acordo com o roteirista o período de produção levou mais de um ano, com várias incursões pelo rio, e muitas vezes houve retorno na mesma localização para regravar algumas imagens devido condições climáticas e outros fatores.
“O documentário traz paisagens, sítios históricos, registros do século XVIII que contam o início das cidades na região, principalmente a cidade de Coxim e comunidades como por exemplo, a de Jauru que foram se desenvolvendo devido ao curso do rio. Ouvimos muitas epopéias, histórias e é possível evidenciar a influência dessas rotas na vida das pessoas. Muitos depoimentos foram contados com vozes embargadas, com lágrimas de emoção. Percorremos não só o rio Coxim, Taquari e outros pequenos afluentes. São roças de toco, pesca artesanal de subsistência, remanescentes de garimpo de diamantes e ouro que desencadearam a rota das moções”, destaca Ariel.
O roteirista explica que objetivo maior do documentário foi não dó de resgatar esse passado, mas também esse fenômeno natural de segurança alimentar de comunidades, manutenção da cultura das comunidades, abordagem sobre o arranjo produtivo de turismo cultural de base comunitária, aspectos ambientais culturais e turísticos como fator de desenvolvimento sustentável.
“Encontramos os problemas, as ameaças, os sonhos, histórias de vida, demos vozes a pessoas esquecida nos processos de desenvolvimento, gente que está no mato, na
comunidade rural, na beira do rio. Foi um ano difícil para mim, com perdas e eventos difíceis na vida pessoal, mas a minha paixão pelo projeto foi maior, é um honra indescritível ter realizado junto com os colegas de produção e edição todo esse trabalho que contou com recurso do FICMS, através da Fundação de Cultura e apoio da ACIAC de Coxim e Espaço Manancial”, finaliza Ariel.

 

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2024.