Professor sofre agressão e ataque racista ao defender filho de 6 anos de acusação de roubo em Ms
Domingo | 14 de Agosto de 2022  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Sexta-feira | 05 de Agosto de 2022    14h53

Professor sofre agressão e ataque racista ao defender filho de 6 anos de acusação de roubo em Ms

O professor doutor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) Sikiru Balogun, que é nigeriano, foi vítima de racismo em um supermercado de Dourados (MS) na tarde desta quarta-feira (3).

Fonte: Coxim Agora
Foto: Divulgação

O professor doutor da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) Sikiru Balogun, que é nigeriano, foi vítima de racismo em um supermercado de Dourados (MS) na tarde desta quarta-feira (3). Ele levou um soco ao defender o filho, de 6 anos, de uma acusação de roubo feita por um casal

Segundo Balogun, o crime ocorreu após ele ter se confundido e deixado com o filho um carrinho que pertencia a outras pessoas que estavam no estabelecimento. O professor afirma que, depois disso, uma mulher bateu na criança e a acusou de roubo (leia relato mais abaixo).

Seguranças do supermercado se aproximaram dos envolvidos, e a Polícia Militar foi acionada e levou todos à Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac).

O marido da mulher, de 61 anos, foi denunciado por vias de fato (lesão corporal leve) e injúria racial por ter dado soco no ombro do professor, a quem chamou de “preto”, de acordo com o registro policial.

A mulher acusada pelo professor disse a um policial que não agrediu a criança e que apenas retirou a mão dela do carrinho. Também declarou ter feito isso “pois já havia ocorrido isto com ela, de roubarem seu carrinho, por esse tipo de pessoa”, segundo o registro policial.

O delegado Lucas Albé Veppo afirmou que homem confessou ter agredido o professor e usado o termo “preto” de maneira pejorativa. “Informou que ficou nervoso com a situação, por isso agiu dessa forma”, disse o delegado. O agressor foi liberado após pagamento de fiança no valor de um salário mínimo.

A vítima também fez denúncia de racismo contra a mulher, mas a polícia informou não ter conseguido reunir elementos que confirmassem a acusação e que, por isso, ela não responderá por nenhum crime.

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2022.