Debates na TV decidem eleições? - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS
Domingo | 25 de Fevereiro de 2024  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015   
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
mais colunas de Ampla Visão
Terça-feira | 10 de Maio de 2022
Debates na TV decidem eleições? - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

O GOLPE: Candidato a governador é a gentileza em pessoa. Nos telefonemas para tentar seduzir lideranças do interior, não faltam promessas e até oferecimento de espaços na futura (?) administração. Ao final, diz que após eleito ao governo – estará à disposição através do mesmo número de telefone. Mas após as eleições, o telefone de campanha é bloqueado  e não se consegue falar com o vencedor. Sempre assim... 

PREOCUPAÇÃO: Visível no papo com lideranças petistas. A prioridade é arrumar um bom palanque para Lula. O nome da advogada Gisele Marques não empolga como candidata ao Governo. O deputado Pedro Kemp ressalta a força do PT em MS e lembra que em 2018 Humberto Amaducci (PT) obteve 132.638 votos – ou seja 10,26% do total dos votos válidos.

CONVENHAMOS! 10,26% dos votos decide uma eleição no 2º turno. Mas os demais candidatos ao Governo, entendem que o ganho com o apoio do PT ao Governo seria menor do que as perdas pelo espaço e apoio ao candidato Lula. Não compensaria. Um casamento duvidoso, pois os candidatos do PT ao Planalto não tem tido bom desempenho aqui no Estado.

COMPLICAÇÕES: O encontro entre o ex-governador Zeca do PT e Marquinhos Trad (PSD) deu chabu. Evangélico, o pré-candidato do PSB teme desgaste se for aliado de Lula. O PT tem boas relações com o Governo Estadual, mas não caminharão juntos devido ao alinhamento com a ex-ministra Tereza Cristina (PP) (leia agronegócio) e outros fatores políticos.
GRID DE LARGADA: Não faltam pesquisas e notícias plantadas nas redes sociais sobre o desempenho dos pré-candidatos ao Governo Estadual. Mais dúvidas do que certezas.  O mar não está para peixe. Estamos saindo de uma pandemia cruel. Hoje o cidadão tem outras prioridades na vida. Sua luta pela sobrevivência econômica é a maior delas. Não é difícil fazer essa constatação.

DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa (PSDB): “É um momento de celebrar a vida. As sessões continuam mistas, mas com o brilho da participação da população, dos deputados, dos servidores e da imprensa”. Assim ele se expressou na volta dos trabalhos presenciais. Zé Teixeira (PSDB): interlocutor zeloso e competente, tem papel importante na ligação da classe produtora ruralista com o Governo, garantindo rodovias e boas estradas rurais. Evander Vendramini (PP): otimista com repercussão de seu projeto instituindo a obrigatoriedade de profissionais fisioterapeutas nas UTIs de hospitais públicos e particulares. A proposta em tramitação. Amarildo Cruz (PT): manifestou-se publicamente cumprimentando os profissionais da área e reverenciando o Dia Internacional da Liberdade de Imprensa comemorado no dia 3 de maio. Lucas de Lima ( PDT): é seu o projeto que obriga as concessionárias a divulgarem nas suas faturas os números dos fones de emergência em casos de violência doméstica; tem proposta que considera estabelecimentos  de varejos ópticos  como atividade essencial. -  
DEBATES: No saguão da Assembleia Legislativa questionaram-me da importância dos debates na TV pelos candidatos ao governo. Nos ‘States’, no Brasil e aqui os debates influenciaram a tendência do eleitorado. Foi assim com Kennedy e Nixon; Collor e Lula, Reinaldo e Odilon. Como no Tribunal do Júri, só por uma frase infeliz o candidato pode vencer ou perder.
POLÍTICO SIM! Para o deputado Paulo Duarte (PSB) os políticos exercem o papel de intermediar a sociedade com o Estado. Portanto, a atividade política há de ser exercida pelos políticos, assim como a medicina pelos médicos e a advocacia pelos advogados. Para ele é incoerência se apresentar como candidato a algum cargo eletivo com a roupagem de apolítico. Ora! Desde que seja um bom político, não há que se envergonhar desta condição.

OUTRO QUADRO: Paulo Duarte discorda da comparação destas eleições com o pleito de 1998. Lembra: Esse governo atual vai bem, faz obras e paga em dia; já Wilson B Martins decepcionava - a ‘folha’ do funcionalismo atrasada em 4 meses. Paulo vê o governador como excelente cabo eleitoral e destaca o perfil de bom gestor de Eduardo Riedel nesta administração.  
A DIFERENÇA: Nos ‘States’ os parlamentos estaduais gastam 6 meses só estudando o quanto disponibilizarão para o Orçamento do ano seguinte para o Executivo usar. Lá, caneta fica com os deputados. A revelação é do deputado Lídio Lopes (Patri) presidente da Unale, que participou da Conferência dos Legisladores Americanos de Denver e Washington. Aqui orçamento vem pronto do Executivo (em cima da hora) para ser aprovado a toque de caixa.  
PÉROLA: Ex-presidente Lula (PT) morde a língua. Culpa o presidente Zelensky da Ucrânia pela continuidade do conflito. O motivo? Zelensky não quer sair dos holofotes da mídia mundial. Seria como inocentar o estuprador e culpar a mulher vítima por usar roupas sensuais. Dizer que há um estímulo de ódio contra Putin é ter visão equivocada dos fatos. E Lula não lamentou pelas vítimas e nem se disse uma palavra de solidariedade ao povo da Ucrânia.

AÇÕES & DEPUTADOS: Paulo Duarte (PSB): aprovado seu projeto exigindo das empresas prestadoras de serviço de internet informações na fatura, inclusive a velocidade contratada para evitar prejuízos ao consumidor. Antônio Vaz (REP): aprovado na última terça feira o projeto de lei de sua autoria que prevê a obrigatoriedade de denúncias de maus tratos de animais ocorridos nos condomínios. Gerson Claro (PP): defensor das ações governamentais na zona rural, cuida dos interesses dos assentamentos, pequenos produtores e dos quilombolas. Mara Caseiro (PSDB): pede ao Governo obras de infraestrutura no Distrito de Pontinha do Cocho; usou da tribuna para pedir proteção e cuidados as crianças nas escolas para evitar abusos e erotização nas mesmas. Marçal Filho (PSDB) 

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2024.