Schumacher mostra "sinais encorajadores", diz Ross Brawn
Sábado | 19 de Janeiro de 2019  |    (67) 3291-3668  
 (67) 3291-3668  
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Sexta-feira | 04 de Novembro de 2016    13h14

Schumacher mostra "sinais encorajadores", diz Ross Brawn

Ex-diretor da Ferrari não deu detalhes sobre o progresso na saúde do ex-piloto, em respeito à privacidade da família Schumacher

Fonte:
Foto: Getty Images
Michael Schumacher durante evento com a Força Aérea Italiana, em 11 de dezembro de 2003

 

Uma pessoa bem próxima a Michael Schumacher quebrou, ainda que de forma discreta, o pacto de silêncio em relação ao estado de saúde do heptacampeão mundial de Fórmula 1. Ross Brawn, ex-diretor técnico da Ferrari, afirmou nesta quinta-feira que o ex-piloto alemão apresentou alguns “sinais encorajadores” em sua recuperação de graves lesões na cabeça sofridas em um acidente de esqui, em novembro de 2013.

“A família decidiu conduzir a convalescença de Michael de forma particular e devo respeitá-la”, disse o britânico, que ajudou o alemão Schumacher em todos os seus títulos e trabalhou com ele na Benetton, Ferrari e Mercedes, em entrevista à BBC. “Há sinais encorajadores e todos estamos rezando a cada vez que vemos mais estes sinais. Então é difícil para mim dizer muito e respeitar a privacidade da família.”

“Tudo o que eu diria é que há muita especulação sobre a condição de Michael. A maior parte dela está errada e nós apenas rezamos e esperamos todos os dias que continuemos a ver algum progresso e que um dia possamos ver Michael recuperado das lesões terríveis”, completou.

Schumacher está sendo tratado em casa na Suíça desde que saiu do hospital, e pouquíssimos detalhes foram tornados públicos desde então. A situação real do ex-piloto de 47 anos ainda é desconhecida.

Em entrevista a última edição de VEJA, Jean Todt, ex-­chefe de Schumacher na Ferrari, presidente da Federação Internacional do Automóvel (FIA) e um dos amigos mais próximos do campeão, disse que as pessoas que falam sobre sua saúde “não conhecem a situação e os que conhecem não falarão nada”.

“Felizmente, Schumacher não está morto, mas sua vida e a de sua família mudaram. Ele é bastante reservado, e nós consideramos que sua vida privada deve ser respeitada. Schumacher não é mais um personagem público”, completou Todt.

 

 

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2019.