Currículo de Direito deve mudar para aproximar faculdade dos escritórios
Domingo | 24 de Fevereiro de 2019  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015 | 67 99996-1218  
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015 | 67 99996-1218  
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Quarta-feira | 04 de Julho de 2018    08h16

Currículo de Direito deve mudar para aproximar faculdade dos escritórios

Graduação mais procurada do país, o curso de Direito deverá passar pelas mudanças mais significativas em 14 anos

Fonte: Veja
Foto: Ilustrativa

Graduação mais procurada do país, o curso de Direito deverá passar pelas mudanças mais significativas em 14 anos. O Conselho Nacional de Educação (CNE) vai propor modernizar os currículos da graduação para adaptar o que se ensina ao que se vê no cotidiano dos escritórios de advocacia e às diversas realidades regionais. A expectativa é de concluir essa discussão até setembro, após quatro anos de debates.
Números do Ministério da Educação (MEC) mostram que, de 2004 a 2016 (último com dados disponíveis), o total de graduações em Direito cresceu 49%. Já a oferta de vagas aumentou 61% no período. A nova proposta mantém a carga horária mínima de 3,7 mil horas, espalhada por cinco anos. Cerca de 50% da carga poderá ser formada por disciplinas optativas, “a fim de que se possa garantir um aprendizado capaz de enfrentar os problemas e desafios impostos pelo constante processo de inovação pelo qual passa o mundo”, diz o texto da proposta.
“A atuação esperada do profissional do Direito mudou, queremos estimular e ampliar o contato desses alunos com os futuros empregadores, com os desafios que vão encontrar na profissão. Não será um curso voltado para o exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil)”, diz Luiz Roberto Curi, que preside a comissão do CNE que estuda as mudanças.
Foi a própria OAB quem sugeriu mudanças nas diretrizes em 2013, pela preocupação com a qualidade dos cursos que proliferavam pelo país. “O MEC autorizou a abertura de centenas de cursos, sem que houvesse garantia de qualidade e real demanda por essas vagas. Havia preocupação, que se agravou nos últimos anos, com a qualidade do ensino, já que no exame da Ordem não conseguimos aprovar mais do que 20% dos inscritos”, diz Marisvaldo Cortez, presidente da Comissão de Educação Jurídica da OAB. Com a expansão acelerada de novos cursos, Cortez avalia que indicar às instituições a elaboração de currículos mais diversificados pode ajudar a “desafogar” o mercado de trabalho. “Temos quase 1,2 mil cursos de Direito, todos com praticamente o mesmo currículo, sem adotar novas metodologias de ensino e sem pensar os novos desafios da profissão. Podem criar disciplinas, mais inovadoras. Hoje, por exemplo, não temos matéria sobre Direito Eleitoral, que é um campo importantíssimo.”

 

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2019.