• Painel de Controle
Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
Expediente      Anuncie      Assine

Coxim - Segunda

23ºMIN36ºMAX

Coxim - Terça

25ºMIN37ºMAX

Coxim - Quarta

24ºMIN35ºMAX

Coxim - Quinta

25ºMIN33ºMAX

Operação contra Rio-2016 e Nuzman é um duro golpe para o COI
A suspeita de compra de votos do Rio de Janeiro para receber a Olimpíada de 2016 atinge diretamente a credibilidade do Comitê Olímpico Internacional (COI).

              06/10/2017    08h50
foto: Divulgação

A suspeita de compra de votos do Rio de Janeiro para receber a Olimpíada de 2016 atinge diretamente a credibilidade do Comitê Olímpico Internacional (COI), que está prestes a se reunir em Lima, no Peru, para confirmar Paris e Los-Angeles como sedes dos Jogos de 2024 e 2028, respectivamente. Procurado, o COI indicou que é de seu “maior interesse” esclarecer o que de fato ocorreu em Copenhague, em outubro de 2009 quando o Rio foi dedo como sede olímpica.
“O COI soube dessas circunstâncias por meio da imprensa e está fazendo todo o esforço para obter informações completas”, informou a entidade, por meio de um e-mail. “É do mais alto interesse do COI obter esclarecimentos sobre esse assunto”, completou.
No movimento olímpico, a ofensiva da Operação “Unfair Play” contra o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, também foi recebida como uma “péssima notícia” para a entidade. O próprio Nuzman, depois do Rio-2016, ganhou um cargo em um dos comitês do COI, assim como outros dirigentes brasileiros.
Na condição de anonimato, delegados e membros da família olímpica admitiram que o incidente no Rio “jogará desconfiança sobre todo o processo” e deve fragilizar a entidade. Thomas Bach, presidente do COI, insistia ser um “grande amigo” de Nuzman e sempre rejeitou qualquer necessidade de se investigar os Jogos do Rio.
Durante os últimos meses, o COI chegou a se lançar em uma campanha para promover o legado deixado pelo evento no Rio, inclusive distribuindo artigos a jornais estrangeiros assinados por Eduardo Paes, ex-prefeito do Rio, também citado em casos de suspeitas de corrupção.


   
PUBLICIDADE
FB
PUBLICIDADE
Dinapoli
Contato
  • (67) 3291-3668
  • Formulário
  • Denúncia
  • www.diariodoestadoms.com.br
    Você está no melhor portal de notícias da região norte.