• Painel de Controle
Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017
Expediente      Anuncie      Assine

Coxim - Quarta

18ºMIN25ºMAX

Coxim - Quinta

19ºMIN25ºMAX

Coxim - Sexta

18ºMIN30ºMAX

Coxim - Sábado

20ºMIN30ºMAX

A Nasa chegou a Júpiter. Por que isso é importante?
A missão da Nasa, que custou 1,13 bilhão de dólares, pretende, por meio do estudo do planeta, desvendar alguns mistérios sobre a formação do sistema solar

              07/07/2016    13h51
foto: NASA

A sonda não tripulada vai orbitar o planeta 37 vezes durante um ano terrestre, utilizando uma série de instrumentos de pesquisa.

 

Na madrugada da última terça-feira (5), a sonda Juno completou uma viagem de cinco anos no espaço e, finalmente, chegou ao seu destino: Júpiter. A missão, que custou 1,13 bilhão de dólares aos cofres da Nasa, busca, por meio do estudo do planeta, desvendar alguns mistérios sobre a formação do sistema solar. Assim que chegou, a sonda não tripulada começou a orbitar o planeta – fará isso 37 vezes durante um ano terrestre, utilizando uma série de instrumentos fornecidos por Itália, França e Bélgica. Ela vai estudar o funcionamento do gigante gasoso e analisar sua composição para responder a algumas perguntas como: do que Júpiter é feito? Como é o seu núcleo (se é que ele existe)? Como é seu campo magnético? Ao respondê-las, conseguiremos compreender a formação não só de Júpiter, mas de todo o sistema solar, que inclui a Terra.

A Nasa batizou a missão segundo um episódio mitológico. Segundo a mitologia romana, Juno (equivalente a Hera, na mitologia grega) é a irmã e esposa de Júpiter (Zeus, na mitologia grega), a única capaz de penetrar nas nuvens em que seu marido se envolveu para camuflar suas infidelidades. Delicadamente, ela consegue descobrir a verdadeira natureza de Júpiter – o mesmo objetivo da missão espacial.

Missão – Acredita-se que Júpiter foi um dos primeiros planetas a se formar, quase na mesma época que o Sol. Entre os segredos que o planeta ainda esconde, um deles é onde exatamente ele foi formado. Se o gigante gasoso realmente surgiu na mesma época que nossa estrela, então os elementos que compõem os dois deveriam ser muito similares; mas, então, por que Júpiter tem maiores concentrações de elementos pesados como carbono e nitrogênio? De acordo com algumas explicações científicas, isso acontece porque Júpiter pode ter migrado desde que se formou. Galileo, a primeira missão que orbitou o planeta, em 1995, forneceu informações que sugerem que o planeta teria se formado mais longe do Sol e posteriormente “migrado” para a órbita em que está hoje. Juno pretende trazer mais dados que confirmem ou não a teoria.

A sonda também vai vasculhar a atmosfera de Júpiter para verificar qual a quantidade de água que existe no planeta e, assim, identificar com precisão do que ele é composto, qual sua temperatura e como se dá o movimento das nuvens. Por fim, a missão pretende explorar e estudar a magnetosfera (região formada pelo campo magnético que envolve um astro, constituindo a parte exterior da atmosfera) dos polos do planeta, especialmente as auroras – as luzes a sul e norte do planeta –, dando novas possibilidades sobre como o enorme campo magnético afeta sua atmosfera.

Confira abaixo por que a missão Juno é relevante para o estudo do sistema solar e quais respostas busca trazer:

1. Por que estudar Júpiter?

(NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Reuters)

 

Os astrônomos ainda não sabem ao certo como o sistema solar se formou; mas há algumas teorias. A maioria delas afirma que ele surgiu a partir do colapso de uma nebulosa (uma gigantesca nuvem de gás e poeira) que formou nosso Sol. Assim como nossa estrela, o planeta gigante Júpiter é composto, basicamente, de hidrogênio e hélio, indício de que ele teria se formado muito cedo, captando a maior parte do material que o Sol deixou para trás. Entretanto, ainda não se sabe como isso aconteceu e Júpiter pode ter as chaves para decifrar esses mistérios. Por isso, a sonda Juno viajou até ele: acredita-se que planetas gigantes tenham estado nos primórdios da formação planetária, e compreendê-los significa entender também a formação do sistema solar – que inclui a Terra. Assim como estudamos nossos antepassados, estudar Júpiter é compreender como o nosso lar, a Terra, se formou.

2. Do que o planeta é formado?
(NASA/JPL/University of Arizona/VEJA)

 

Uma das principais respostas que Juno tentará trazer é sobre a composição de Júpiter. O aspecto principal que a sonda vai investigar é qual a quantidade de oxigênio que há na atmosfera do planeta. De acordo com a Nasa, essa informação ajudará a determinar quão longe do Sol o planeta se formou. Acreditava-se que Júpiter havia se formado na mesma órbita em que se encontra hoje, mas, quando a missão Galileo orbitou Júpiter, em 1995, ela descobriu que a atmosfera do planeta era composta de diversos elementos pesados, como carbono e nitrogênio, que só podem ser formados em locais de baixa temperatura (ou seja, muito longe do Sol). Esses componentes se misturavam na atmosfera de Júpiter com outros que se formavam em locais mais quentes (como o hidrogênio e o hélio), o que indica que o planeta pode ter mudado de órbita. Como a existência da vida na Terra depende tanto da existência de oxigênio quanto desses outros elementos mais pesados, descobrir como Júpiter os adquiriu pode também nos dar pistas importantes sobre a nossa origem.

3. O que está no núcleo de Júpiter?

(Nasa/Esa/Reuters)

 

A maioria das teorias que existem sobre o núcleo de Júpiter indica que o planeta é formado por um "coração" de gelo, rochas e metal. Esse núcleo cresceu e, conforme foi ganhando massa, atraiu gases como hélio e hidrogênio, os elementos mais leves que existem; ao puxar cada vez mais gás, formou o que conhecemos hoje como Júpiter. Há uma outra teoria, no entanto, que diz que Júpiter não possui nenhum núcleo e que, em vez disso, é formado apenas de gás e nuvens que rodeavam o Sol logo após a formação da estrela. Após esse longo momento de turbulência, esses gases foram resfriando e se condensando para formar o que é hoje Júpiter. Para verificar qual das teorias é verdadeira, Juno buscará compreender o campo magnético do planeta. Ele indicará se o núcleo de Júpiter existe ou não; em caso positivo, o tamanho do "coração" também será observado. Juno ainda vai verificar a veracidade de uma terceira possibilidade: a de que o núcleo de Júpiter existiu, mas foi aniquilado. Juno vai pairar sobre os polos do planeta para analisar o gás hidrogênio, que, condensado a uma grande pressão, se transforma em uma substância conhecida como hidrogênio metálico, que funciona como um condutor. Acredita-se que esse elemento seja responsável pelo campo magnético de Júpiter. Esse ambiente está na origem das auroras mais brilhantes do nosso sistema solar, vistas justamente nos polos do planeta – isso trará resposta sobre esses fenômenos.

4. Já houve uma missão. Por que outra?

(Universidade de Stanford/Divulgação)

 

Júpiter começou a ser explorado nos anos 1970 pelas sondas Pioneer e Voyager – mas elas não orbitaram o planeta, apenas se aproximaram dele. Foi assim também com as sondas Ulysses, Cassini e, a mais recente delas, New Horizons, que passou próximo ao planeta, em 2007, rumo a Plutão. “A primeira a orbitar o planeta foi a sonda Galileo, que chegou lá em 1995. A Galileo tinha objetivos mais gerais, como o estudo da atmosfera e magnetosfera de Júpiter, seus anéis e suas luas, principalmente as quatro maiores. Juno tem objetivos bem mais precisos e contará com tecnologia mais avançada”, afirmou Daniel Mello, astrônomo do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Juno está equipada com um conjunto de instrumentos de tecnologia de ponta que permitirá realizar estudos no período de vinte meses. Há instrumentos de estudo de estrutura (gravimétricos – que medem o campo gravitacional – e instrumentos que operam em micro-ondas e infravermelho), medidores de partículas carregadas e campo magnético, câmeras para imagem e espectrógrafos para análise química. Todos os dados obtidos serão enviados para o centro de controle da Nasa, a Deep Space Network (DSN).

5. Qual o papel de Júpiter no sistema solar?

(Universidade de Stanford/Divulgação)

 

Segundo a Nasa, Júpiter é considerado um protetor da Terra. Em outros sistemas solares, planetas como Júpiter, enormes e gasosos, já foram vistos migrando de suas órbitas para perto de suas estrelas; ao fazer essa trajetória, eles “engoliram” outros pequenos planetas rochosos (como a Terra) que estavam no caminho, ou simplesmente os enviou para fora do sistema planetário. Mas, aqui, Júpiter permanece em sua órbita, sem se aproximar (mais) do Sol. Graças a sua enorme massa, ele mantém as órbitas dos seus planetas vizinhos em “ordem” (com uma órbita quase circular), garantindo que a Terra não tenha uma órbita elíptica – o que causaria um grande impacto no clima por aqui. Júpiter ainda serve como um "porteiro", pois impede que muitos asteroides "mirem" nos seus planetas vizinhos e os atinjam. Saber mais sobre a movimentação do planeta é também compreender como se dão as interações entre os planetas do sistema solar.


   
PUBLICIDADE
FB
PUBLICIDADE
Dinapoli
Contato
  • (67) 3291-3668
  • Fromulário
  • Denúncia
  • www.diariodoestadoms.com.br
    Você está no melhor portal de notícias da região norte.