Temporada de pesca começa com cota de 2020 valendo: um exemplar e cinco piranhas
Quinta-feira | 15 de Abril de 2021  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015 | 67 99641-1903  
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015 | 67 99641-1903  
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Terça-feira | 02 de Março de 2021    09h30

Temporada de pesca começa com cota de 2020 valendo: um exemplar e cinco piranhas

Fonte: MS.Gov
Foto: Reprodução

Desde ontem (01.03), a pesca esportiva para captura está liberada nas bacias dos rios Paraguai e Paraná, respeitando-se a cota fixada pelo Governo do Estado em 2019. Nos rios pantaneiros, o pescador amador poderá levar um exemplar de qualquer tamanho, dentro das especificações mínimas e máximas definidos por lei, e mais cinco piranhas.
A pesca amadora ou recreativa é praticada como uma atividade de lazer e em Mato Grosso do Sul. Esse esporte, que cada vez mais agrega participantes, está aliada ao turismo de natureza e aventura ou contemplação. Por isso, a maioria dos seus praticantes aderiram ao pesque-solte, que em Corumbá, principal destino, já representa mais de 80% dos visitantes. 
O Estado é um dos principais polos de pesca. No Pantanal, o Rio Paraguai e seus principais afluentes (Taquari, Aquidauana e Miranda) propiciam temporadas inesquecíveis. Após proibição de captura, o dourado predomina na região de Corumbá, onde foi decretada moratória há 12 anos, medida preservacionista transformada em lei estadual em 2019 por cinco anos. 

Opções de pesca
O Rio Paraná, além do tucunaré, espécie exótica em abundância, é também paraíso de grandes exemplares de piapara, dourado, barbado, corimba, pirarara, tambaqui, corvina, tilápia e o jau. A região Leste, principalmente Três Lagoas e Paranaíba, concentra um dos maiores centros de pesca esportiva, com boas estruturas de pousadas e pesqueiros a oferecer aos turistas.
O Estado dispõe de várias opções para a prática da pesca esportiva. Em Corumbá, predominam os barcos-hotéis, que tem uma infraestrutura de serviços que garante comodidade, acessibilidade, guias de pesca e entretenimento (piscinas, bares). Operam com grandes grupos em viagens de cinco dias pelo Rio Paraguai, navegando 200 km ao Norte da cidade.  

Sem aglomeração
Nas demais regiões de pesca – Coxim, Aquidauana, Miranda, Bonito, Rio Verde, Ladário, Jardim e Porto Murtinho -, predominam os pequenos grupos, que saem em lanchas ou botes de no máximo três pessoas. Com a ocorrência da pandemia do coronavírus, a pescaria familiar ou entre poucas pessoas tem sustentado a atividade nestes pontos turísticos. (MS.Gov)
 

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2021.