Notificações aumentam e combate à dengue não para em Coxim
Domingo | 12 de Julho de 2020  |    (67) 3291-3668  |    67 99983-4015 | 67 99996-1218  
 (67) 3291-3668  |    67 99983-4015 | 67 99996-1218  
Expediente  |  Anuncie  |  Assine  |  Contato
Terça-feira | 26 de Maio de 2020    07h55

Notificações aumentam e combate à dengue não para em Coxim

Chuvas recentes podem aumentar focos mesmo com temperatura baixa

Fonte: Assessoria
Foto: Assessoria

Servidores da Secretaria Municipal de Saúde Pública, da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica e do Centro de Controle de Vetores continuam se dedicando à missão de conscientizar a sociedade e combater os focos do mosquito.
"Mesmo com a orientação das pessoas ficarem em casa por causa da Covid-19, temos percebido que os focos de dengue têm aumentado, inclusive os casos registrados que já chegam a mais de 600 do começo do ano até sexta-feira", diz Marcilio Centurion, coordenador do Centro de Controle de Vetores.
"Estamos atendendo aos protocolos de segurança e saúde, com uma média de 10 indicações semanais, com o fumacê e as bombas costais, é um trabalho pesado. Tiramos duas carretas de pneus em uma semana da cidade. São mais de 15 toneladas que foram encaminhadas à reciclagem e deixaram de ser potenciais focos. Ainda assim, temos encontrados muitos focos nas vistorias nas residências", resumiu Marcilio, que está na linha de frente do combate junto a equipe.
"Já sabemos como prevenir a dengue há muitos anos, mas precisamos manter uma rotina, mesmo nessa situação preocupante de pandemia, pois qualquer enfermidade pode baixar a imunidade do corpo humano e nos tornar mais vulneráveis a outras doenças", diz o secretário municipal de Saúde Pública, Franciel Oliveira.
Estudos mostram que a maior parte dos focos está em residências e comércios, seja em caixas d'água destampadas, recipientes de água de animais de estimação, objetos esquecidos em quintais e em telhados, vasos de plantas no jardim, ralos sem telas, entre outros.
As autoridades sanitárias alertam que as chuvas recentes podem intensificar a reprodução do mosquito, mesmo com temperaturas mais baixas. Vale seguir a regra que todos já sabem: criar uma rotina frequente de monitorar a própria casa, e utilizar-se de técnicas autorizadas pela Vigilância Sanitária como repelentes e outros métodos mecânicos de combate ao mosquito. 

www.diariodoestadoms.com.br
© Copyright 2013-2020.