• Painel de Controle
Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Expediente      Anuncie      Assine

Coxim - Quarta

25ºMIN35ºMAX

Coxim - Quinta

24ºMIN36ºMAX

Coxim - Sexta

23ºMIN35ºMAX

Coxim - Sábado

23ºMIN33ºMAX

Morre Beatriz Segall, a eterna Odete Roitman, aos 92 anos
Atriz Beatriz Segall morreu ontem, aos 92 anos, informou a assessoria do hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Veja              06/09/2018    14h24
foto: Mario Rodrigues/VEJA SP/Dedoc

Atriz Beatriz Segall morreu ontem, aos 92 anos, informou a assessoria do hospital Albert Einstein, em São Paulo. Beatriz tinha recebido alta no dia 21 de agosto, porém retornou ao hospital com problemas respiratórios, informou o assessor de imprensa da atriz. O velório começa às 19h, no Albert Einstein, e vai até meio-dia de quinta-feira, quando o corpo de Beatriz será cremado.
A atriz estava afastada da televisão havia alguns anos, mas pode ser vista na pele de sua mais famosa personagem na TV e uma das mais memoráveis vilãs da dramaturgia brasileira, Odete Roitman, na reprise da novela Vale Tudo (1987), que o canal pago Viva exibe diariamente. Manipuladora e arrogante, a personagem acumulou inimigos ao longo da trama e foi assassinada nos últimos capítulos do folhetim da Globo, provocando um dos maiores mistérios da história das novelas – todos queriam saber quem havia matado Odete Roitman. A malvada foi tão marcante na carreira de Beatriz que, mesmo anos mais tarde, ela continuava sendo chamada de Odete nas ruas, como contou ao site Memória Globo, que reúne material institucional da emissora carioca. “Sempre me encabulo quando tenho que falar da Odete Roitman, fico com medo de parecer pretensiosa, e tenho certeza de que não sou, mas acho que ninguém na televisão brasileira recebeu um presente tão grande como esse”, disse, em depoimento em 2002. O problema de ter recebido um “presente” desse tamanho foi que, segundo a atriz, ela teve dificuldades para conseguir se descolar da imagem de mulher rica e chique que Odete fez ficar gravada na cabeça de milhões de brasileiros. “Eu queria fazer o papel de uma mulher bem povão, mas o público não aceitou“, afirmou. Por isso, voltou a viver mulheres elegantes em novelas como Sonho Meu (1993), a segunda versão de Anjo Mau (1997) e Lado a Lado (2012). 


   
PUBLICIDADE
Dinapoli
PUBLICIDADE
Contato
  • (67) 3291-3668
  • Formulário
  • Denúncia
  • www.diariodoestadoms.com.br
    Você está no melhor portal de notícias da região norte.