• Painel de Controle
Sábado, 22 de Setembro de 2018
Expediente      Anuncie      Assine

Coxim - Sábado

20ºMIN36ºMAX

Coxim - Domingo

20ºMIN37ºMAX

Coxim - Segunda

20ºMIN36ºMAX

Coxim - Terça

20ºMIN36ºMAX

Falta de oxigênio em caverna na Tailândia preocupa autoridades
Equipe de resgate tenta instalar mangueira para bombear ar para câmara onde estão os 13 presos

O Globo              06/07/2018    10h39
foto: LILLIAN SUWANRUMPHA / AFP

As autoridades tailandesas correm contra o tempo para definir uma estratégia para resgatar os 12 meninos e seu treinador de futebol presos há 13 dias em uma caverna inundada no Norte da Tailândia. A operação agora se concentra em três principais tarefas, enquanto se analisam os métodos de salvamento: drenar água, disponibilizar mais oxigênio para a zona da caverna onde está o grupo e instalar uma linha de comunicação entre as vítimas e as autoridades.

As autoridades tentam instalar uma mangueira entre a área onde estão os meninos e uma caverna próxima, chamada de Câmara 3, para bombear ar para a câmara dos meninos, chamada de Pattaya Beach. A distância entre os dois pontos é de 1,7 quilômetro, segundo as autoridades. De acordo com o vice-comandante Chalongchai Chaiyakham, o nível de oxigênio na caverna caiu significativamente, de 21% para 15%.

A equipe de resgate também pretende estabelecer uma linha direta entre as duas áreas para facilitar o resgate e permitir contato com as famílias. Até agora, a única forma de comunicação é presencial, o que exige uma jornada de pelo menos seis horas de ida até os meninos e cinco de volta até o centro de comando, devido ao sentido favorável do fluxo da água.

A situação ficou mais tensa na madrugada desta sexta-feira, quando um voluntário morreu por falta de oxigênio enquanto fazia a travessia de volta ao centro do comando, após entregar mantimentos aos 13.

Diante da perspectiva de fortes chuvas no fim de semana, falta de experiência em mergulho e ainda a desnutrição de dois dos 12 meninos e do seu treinador de futebol, a Tailândia mobilizou um verdadeiro exército de militares e especialistas de vários países que avaliam duas principais estratégias de resgate. Na quinta-feira, mais 30 mergulhadores de elite se juntaram aos 80 já no local, enquanto as autoridades enviavam entre 20 e 30 equipes para rastrear a área sobre a caverna para tentar encontrar uma fenda ou chaminé que a ligue a superfície e evite o resgate subaquático.

O primeiro cenário é retirar, com a necessidade de mergulho, somente aqueles que estiverem prontos e saudáveis. O plano é aproveitar ao máximo a drenagem já feita em zonas alagadas e minimizar a necessidade de fazer arriscadas travessias submersas.

Na segunda opção, ainda hipotética, equipes mobilizadas tentariam cavar um túnel para extrair o grupo a partir da superfície acima da caverna. Para isso, no entanto, buscam alguma abertura que facilite a tarefa, uma vez que a caverna está a entre 800 metros e um quilômetro da superfície.

De acordo com o jornal "Khao Sod English", as autoridades encontraram um buraco a cerca de 200 metros de onde estão os 13. Citando o general tailandês Suchart Teerasawat, a brecha teria cerca de um metro de diâmetro e levaria a uma região que ficaria entre 150 e 200 metros de onde o grupo está refugiado.

PREVISÃO DE CHUVA

Algumas autoridades também defendem que o grupo seja mantido na caverna no local seco onde estão, até que a temporada de chuva na Tailândia, que vai até novembro, normalize as condições da caverna, e eles possam sair em segurança. No entanto, a preocupação com a perspectiva de mais chuva é maior.

— Estamos numa corrida contra a água, que continua fluindo, apesar da drenagem — disse o governador da província de Chiang Rai e chefe da célula de crise, Narongsak Osatthanakorn.

 

 


   
PUBLICIDADE
Dinapoli
PUBLICIDADE
Contato
  • (67) 3291-3668
  • Formulário
  • Denúncia
  • www.diariodoestadoms.com.br
    Você está no melhor portal de notícias da região norte.