• Painel de Controle
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018
Expediente      Anuncie      Assine

Coxim - Quinta

25ºMIN36ºMAX

Coxim - Sexta

24ºMIN35ºMAX

Coxim - Sábado

24ºMIN33ºMAX

Coxim - Domingo

24ºMIN34ºMAX

A falta de sono engorda?
A falta de sono pode causar obesidade. A obesidade causa distúrbios do sono. É um ciclo vicioso

Veja              15/05/2018    09h59
foto: Getty Images/Getty Image

Os distúrbios do sono estão cada vez mais comuns na vida moderna, acarretando importantes alterações nas funções neuroendócrinas associadas a um maior ganho de peso em crianças e adultos.

Síndrome da apneia obstrutiva do sono

O distúrbio mais comum é a síndrome da apneia obstrutiva do sono (conhecida como SAOS), que consiste em uma pausa respiratória provocada pelo colabamento das paredes da faringe durante a expiração. O distúrbio ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo. Durante essas pausas, ela para de roncar, por causa do bloqueio da passagem de ar pela faringe e faz uma parada respiratória que dura poucos segundos.

Estima-se que 2 a 4% da população adulta de meia-idade seja afetada pela SAOS, atingindo uma projeção de 7 a 18 milhões de pessoas somente nos Estados Unidos. Atinge com maior frequência os homens, os indivíduos com obesidade e com idade acima de 40 anos. Os dados de SAOS em crianças e adolescente vêm crescendo em todo mundo, assim como no sexo feminino, associado a maior prevalência da obesidade nessas populações.

Consequências

Esses episódios de apneia têm como consequência a menor oxigenação do sangue durante a pausa respiratória, sobrecarga cardíaca pós pausa, sonolência diurna, aumento do apetite relacionado com alterações neuro-hormonais e hipertensão arterial. Em longo prazo, pode-se desenvolver insuficiência cardíaca, riscos de convulsões, disfunções sexuais e depressão. Os jovens têm dificuldade de concentração, baixo rendimento escolar, desânimo para atividade física e queixas constante de cansaço. Muitos adultos sentem uma sonolência diurna com prejuízo nas suas atividades profissionais e no trânsito, por cochilos constantes.

Apneia e ganho de peso

Dentre as evidências neuro-hormonais, os estudos mostraram que esses pacientes têm menores níveis de leptina (hormônio relacionado à saciedade), elevação dos níveis do cortisol, da insulina e grelina (hormônios que aumentam o apetite). A consequência disso é um ciclo vicioso: dorme-se mal, come-se mais para se manter alerta, aumenta o peso, piora as apneias. Assim, quem dorme mal tem sim maior tendência a ganhar peso!

As medidas da circunferência do pescoço e da cintura abdominal, assim como uma adequada avaliação clinica podem ajudar a diagnosticar precocemente o problema, mas o exame principal é a polissonografia, que consiste no monitoramento do sono com a quantificação do número de apneias.

Detecção precoce e tratamento

A detecção precoce do problema é fundamental para início do tratamento. A perda de peso auxilia na redução dos episódios de apneia e dos sintomas da SAOS, assim como o uso das máscaras para impedir o colabamento da faringe durante o sono é importante para melhorar a qualidade de vida do indivíduo, disposição e perda de peso. Vale lembrar que a avaliação médica é indicada para diagnóstico adequado e exclusão de outras causas que possam estar afetando a respiração como problemas otorrinolaringológicos.


   
PUBLICIDADE
Dinapoli
PUBLICIDADE
Contato
  • (67) 3291-3668
  • Formulário
  • Denúncia
  • www.diariodoestadoms.com.br
    Você está no melhor portal de notícias da região norte.