• Painel de Controle
Terça-feira, 22 de Maio de 2018
Expediente      Anuncie      Assine

Coxim - Terça

10ºMIN27ºMAX

Coxim - Quarta

12ºMIN28ºMAX

Coxim - Quinta

14ºMIN30ºMAX

Coxim - Sexta

15ºMIN31ºMAX

Delegados da Lava Jato assumem cúpula da Polícia Federal em MS
Novo superintendente também atuou na Lava Jato

Midia Max              08/02/2018    08h30
foto: Divulgação/ MIdia Max

Nomeado em 31 de janeiro, o novo superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, Luciano Flores, não tomou posse ainda mas já atua e reorganizou o que é considerado o ‘alto escalão’ da instituição no Estado. Foi nomeado nesta quarta-feira (7) Luciano Menin, delegado que atuou na Lava Jato em Curitiba, para o cargo de Delegado Regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado.
A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União pelo diretor-geral substituto Sandro Torres Avelar.
Cleo Matusiak Mazzotti, que ocupava a função, foi designado para Delegado Regional Executivo, que atuará junto ao novo chefe, com Luciano Menin. Atualmente, Mazzotii atua como interino, já que Flores ainda não tomou posse. Para isso, ele tem até 30 dias após a nomeação.
A nomeação do superintendente, que dependia apenas do aval do Ministério da Justiça, foi realizada um dia após o Jornal Midiamax noticiar que Flores seria chefe do órgão em Mato Grosso do Sul. 

Lava Jato 
em MS
O novo chefe da investigação contra o crime organizado já atuou por duas vezes na Operação Lava Jato, uma delas em força-tarefa, e estava ligado à delegacia de Marília desde 2000, com atuação no combate ao tráfico de drogas e na Operação Miragem, que lacrou rádios sem registro da cidade.
Flores, o superintendente, também foi integrante da força-tarefa responsável pela Lava Jato, e teve repercussão nacional em março de 2016, quando interrogou o ex-presidente Lula, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.
Na Miragem, Menin instaurou inquérito que provocou ordens de prisão e buscas na prefeitura de Marília, residências e escritórios políticos do deputado estadual Abelardo Camarinha e seu filho, Vinícius Camarinha, que era prefeito da cidade na época. O deputado pediu à Justiça Federal para afastar o delegado da operação, alegando perseguição, inimizade, parcialidade e interesse pessoal na investigação conduzida pelo delegado, porém o pedido foi negado.
Cleo Mazzotti, que interinamente atua como Superintendente da instituição, até a posse de Luciano Flores, atuou na Operação Lama Asfáltica em Mato Grosso do Sul, que culminou com as prisões do então secretário executivo do Ministério dos Transportes Edson Giroto e do ex-governador André Puccinelli, além de investigar na ação diversos empresários e políticos do Estado.

 


   
PUBLICIDADE
FB
PUBLICIDADE
Dinapoli
Contato
  • (67) 3291-3668
  • Formulário
  • Denúncia
  • www.diariodoestadoms.com.br
    Você está no melhor portal de notícias da região norte.